Postado em 16 março 2017

Para finalizar nossa série de matérias sobre endomarketing, fizemos uma entrevista com a fundadora e diretora-geral da ação integrada, empresa curitibana especializada em comunicação interna. Adevani Rotter é formada em Relações Públicas e iniciou sua carreira com marketing, passando pela área da comunicação institucional. Mas sua maior vontade era trabalhar com a comunicação com colaboradores, tanto que criou a área de comunicação interna em algumas empresas em que trabalhou. Depois de alguns anos de experiência, realizou o sonho de empreender e fundou a ação integrada, há 22 anos.

AdevaniRotter_2017Conheça um pouco da experiência da Adevani na área de comunicação interna:

  1. No site da ação integrada, vocês divulgam que há um “jeito ação integrada” de fazer comunicação interna. Como chegaram a ele e que resultados costumam ter?
    Chegamos ao jeito ação integrada de fazer comunicação interna após anos de experimentação em casos com nossos clientes e muitos estudos. Vemos os colaboradores como seres humanos e não apenas como público-alvo. Entendemos que toda mensagem dirigida a eles precisa, antes de tudo, fazer sentido, pois apenas o que faz sentido conecta e transforma as pessoas. Os resultados são medidos por pesquisas que realizamos e pelas mudanças de comportamento quando as pessoas são influenciadas pela mensagem divulgada.   
  1. Na sua opinião, qual a importância da comunicação interna?
    A comunicação interna é fundamental e essencial para uma empresa ser bem-sucedida. Nessa era de crise e orçamentos limitantes, vejo empresas perdendo ainda mais recursos por falta de alinhamento da sua estratégia com a operação. Isso significa que a organização tem uma estratégia para vencer nesses tempos difíceis, mas as pessoas que trabalham para ela não sabem muito bem como contribuir para isso. É nesse momento que um processo eficaz de comunicação deve entrar em ação.
  1. É importante ter uma equipe especializada para cuidar de ações assim, ou as equipes de marketing e/ou recursos humanos dão conta?
    Acho importante cada um em sua especialidade. Até porque isso dá foco. Mas nem sempre é possível. Então não vejo problemas outras áreas fazerem comunicação com colaboradores. A perda é que essa atividade não será foco dessas áreas. E quando não há foco, as iniciativas são, muitas vezes, desperdiçadas.
  1. Vocês enxergam que há uma diferença entre endomarketing e comunicação interna? Por quê?
    Nós da ação integrada consideramos que endomarketing e comunicação interna têm abordagens similares, porém objetivos diferentes. Vemos o endomarketing como a parte do marketing que trabalha nos colaboradores a noção de servir e atender o cliente ou consumidor. E que, por conta disso, os produtos e serviços precisam ser divulgados e entendidos em primeiro lugar pelos colaboradores. Por outro lado, comunicação interna é um processo que transcende os canais de comunicação. Ela cria diálogos para dar sentido de pertencimento e envolver os colaboradores nas estratégias, engajando-os às causas da empresa, inclusive a de servir o cliente. Aqui há um equilíbrio entre oferecer o que o colaborador precisa e deseja com o que a empresa precisa e deseja dele.
  1. Há um mito de que o endomarketing não funciona em empresas pequenas. Você concorda com isso?
    Isso é realmente um mito. Empresas de qualquer tamanho devem trabalhar tanto o endomarketing quanto a comunicação interna.
  1. Para você, quais são os melhores tipos de campanhas?
    As melhores campanhas são aquelas que fazem sentido e conectam os colaboradores à mensagem, e quando eles comentam, compartilham e participam, seja de forma virtual ou física. E o mais importante de tudo: quando percebemos que fizemos a diferença na vida profissional e pessoal daquelas pessoas.
  1. Comente um case de sucesso da ação integrada.
    Felizmente, acumulamos muitos cases de sucesso ao longo dos anos. Mas há um bem recente, que ainda está acontecendo. Este case é sobre segurança no trabalho, específico no trânsito. Já estamos colhendo resultados quando ouvimos os colaboradores contarem como estão sendo impactados pelas mensagens e como eles têm mudado os seus comportamentos. E tanto o colaborador está ganhando com a sua qualidade de vida e o entendimento que a empresa está se preocupando por ele, quanto a empresa, do ponto de vista social e econômico. Esse é um típico case que estamos trabalhando com o cliente para fazer o ROI – Retorno sobre o Investimento em comunicação interna.